Pular para o conteúdo principal

Análise do Ratchet & Clank

Um ótimo ponto de partida para novos fãs !
Quase sinônimo de consoles PlayStation, Ratchet & Clank não é uma série que realmente precisava de um reboot. Fora um ou outro jogo abaixo do nível esperado, desde o PlayStation 2 a franquia vem oferecendo aventuras divertidas que agradam a todas as faixas de público. No entanto, a decisão da Insomniac de “apertar o botão reset” traz alguns benefícios, especialmente para quem começou a jogar video games na geração Xbox 360/PlayStation 3.
Afinal, já se vão 14 anos desde que um jogo com o lombax e seu amigo robótico chegou às lojas e é um tanto difícil encontrar os games originais para venda (embora haja uma boa remasterização HD relativamente acessível). Assim, reiniciar toda a história não somente permite que uma nova geração conheça esses personagens, mas possibilita que os desenvolvedores cortem algumas “gordurinhas” presentes nos games originais.
A transição para o PlayStation 4 beneficia principalmente a parte gráfica, que, com o perdão do clichê, está bastante semelhante à que vimos em animações recentes da Pixar e da Disney. Embora o game não rode a 60 quadros por segundo constantes (algo que sempre decepciona um pouco), a combinação entre 30 FPS constantes e a resolução 1080p resulta em um dos títulos mais bonitos da geração atual — principalmente devido à direção artística que é seguida.

Uma nova versão da mesma história

A história de Ratchet & Clank é narrada pelo Capitão Qwark, conhecido como o maior aventureiro da galáxia. Apesar desse título heroico, o personagem não é exatamente conhecido por sua coragem e habilidade, encontrando sempre um meio de estar ocupado quando alguém precisa de sua proteção.
O protagonista, Ratchet, é um lombax (uma espécie de gato alienígena) que passa seus dias consertando naves espaciais e sonhando em se unir a seus ídolos, a Patrulha Espacial. Quando essa oportunidade finalmente chega, ele é rejeitado nos testes, apesar de seu bom desempenho neles — o que não significa o fim de seus sonhos.
Análise do Ratchet & ClankO reboot tem gráficos impressionantes
O herói tem a oportunidade de provar seu verdadeiro valor quando encontra Clank, um robô “defeituoso” fabricado pela empresa Blargian que escapa de sua planta de fabricação. Ciente dos planos malignos da companhia (que envolvem roubar recursos naturais de vários planetas), o lombax e seu novo companheiro passam a viajar pela galáxia fazendo tudo o que podem para evitar que eles se concretizem.
A trama não se desvia muito daquela vista no jogo original para o PlayStation 2, mas se beneficia de um roteiro mais enxuto e de algumas cenas da animação que a Insomniac e a Sony vão lançar junto ao reboot. O título sabe misturar bem esses momentos expositivos com aqueles em que o jogador toma controle da ação, abusando de um humor com toques irônicos que vai ser apreciado tanto por adultos quanto por crianças.

Prepare seu arsenal

Ratchet & Clank mistura elementos de plataforma e cenas repletas de tiroteios contra uma gama variada de inimigos. O protagonista tem um grande arsenal à sua disposição, incluindo itens como bombas que fazem os adversários dançarem descontroladamente e até uma pistola que os transforma em amontoados de pixels.
Ao matar adversários e quebrar caixas, o jogador acumula diversas peças de engrenagem que servem para desbloquear novos equipamentos ou recuperar sua munição. Esse processo também rende um item conhecido como raritânio, essencial para a realização de melhorias em seus equipamentos, que podem ganhar novas habilidades dependendo da maneira como você investe neles.
Análise do Ratchet & ClankRatchet tem um arsenal variado a seu dispor
O sistema de evolução adota um formato semelhante ao de uma colmeia, estimulando o jogador a investir em sequências específicas de poderes para destravar habilidades escondidas. O trabalho feito pela Insomniac nesse sentido é bastante competente, e a interface adotada pela empresa torna fácil saber exatamente o que vai acontecer com suas armas conforme você as evolui.O trabalho feito pela Insomniac é bastante competente
Outra forma de ampliar o poder de seu arsenal é simplesmente usá-lo durante as batalhas: cada item tem até cinco níveis de evolução, que são destravados naturalmente durante o combate. Ratchet também ganha pontos de experiência que ampliam os pontos totais de energia à sua disposição conforme o jogador ganha níveis.
Para completar, o jogador pode coletar uma série de cartas que, combinadas em trios, rendem melhorias para seus poderes. Cinco itens do tipo que surgem de forma repetida podem ser trocados por uma nova carta à sua escolha, sendo que há um conjunto especial que destrava uma das armas mais poderosas do game. Os cenários também escondem engenagens douradas que rendem novas skins para os protagonistas e destravam vantagens como munição infinita.

Variações que nem sempre funcionam

Embora na maior parte do jogo você controle o lombax, em certos trechos é o robozinho Clank quem ganha o protagonismo. Esses momentos (infelizmente um tanto breves) fazem com que a ação fique em segundo plano, priorizando a resolução de quebra-cabeças e trechos de plataforma.
Análise do Ratchet & ClankAlgumas variações de jogabilidade não funcionam muito bem
A Insomniac tenta fugir de fórmula básica da série em alguns trechos que, infelizmente, não funcionam muito bem. As sequências em que o jogador toma o controle de uma nave ou tem que participar de uma corrida fazem pouco para acrescentar à experiência geral e poderiam ser deixadas de lado sem grandes prejuízos.
A câmera também atrapalha em algumas horas, se aproximando demais dos personagens e fazendo com que você perca a noção dos elementos a seu redor. Ainda surge como um problema o curto tempo de recuperação dos golpes sofridos, o que quase sempre resulta em mortes quando você se vê rodeado por muitos inimigos.
Análise do Ratchet & ClankO game tem batalhas contra chefes gigantescos
Quem seguir reto pelo jogo coletando somente o estritamente necessário para prosseguir pelas fases pode considerar o reboot um tanto curto. No entanto, aqueles que decidirem aproveitar melhor a aventura vão descobrir mapas lotados de segredos e missões secundárias que ajudam a tornar mais rica a experiência — a dificuldade não é exatamente alta, com exceção de algumas batalhas em que os inimigos lotam a tela ou em que é preciso enfrentar criaturas gigantescas.

Vale a pena?

Ratchet & Clank é um exemplo que reboots futuros de outras franquias deveriam seguir. Respeitando o material original da Insomniac, o game adapta a série às exigências da geração atual, cortando “gordurinhas” desnecessárias e estabelecendo uma ótima base para sequências futuras.
A desenvolvedora é bem-sucedida em apresentar seus personagens a um novo público, ao mesmo tempo em que faz referências que vão ser compreendidas somente por quem acompanha a série há certo tempo. O título nem sempre é perfeito em suas intenções, mas a experiência oferecida é suficiente para prender você do começo ao fim da aventura.
Análise do Ratchet & ClankO game serve de exemplo para outros reboots
Apresentando uma boa combinação entre mecânicas de ação e plataforma e um roteiro gostoso de acompanhar, a Imsoniac provou que há espaço para jogos do estilo nos dias atuais. Com Ratchet & Clank, a companhia consegue acabar com sua “maré de azar” recente e volta a mostrar os motivos pelos quais se tornou tão reconhecida na geração passada.
Em resumo, o reboot é exatamente aquilo que Knack gostaria de ser: um game bonito e com ótimas qualidades que pode ser apreciado tanto por adultos quanto por crianças. Seja você um antigo fã da franquia ou alguém que nunca ouviu falar de Ratchet & Clank, vale a pena investir no lançamento caso você seja o detentor de uma unidade do PlayStation 4.

88PS4
Ótimo
"O reboot da franquia prova que a Insomniac sabe muito bem os motivos pelos quais Ratchet & Clank é uma série tão adorada"
pontos positivos
  • Boa mistura entre ação e plataforma
  • História cativante e fácil de acompanhar
  • Personagens carismáticos
  • Humor agradável
pontos negativos
  • Alguns trechos, como batalhas entre naves, não funcionam bem
  • A câmera atrapalha em alguns momentos
  • A duração do jogo é um tanto curta

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ZGB Start: Cadê o anúncio? Imagem inédita praticamente confirma novidade de Red Dead

Cadê o anúncio? Imagem inédita praticamente confirma novidade de Red Dead No último domingo, a Rockstar divulgou uma imagem que deixou muita gente imaginando que, em breve, teríamos algum anúncio relacionado à série Red Dead. E, pelo visto, quem apostava nisso pode começar uma contagem regressiva interna, pois uma nova pista surgiu na rede social. Como é possível ver na imagem que está na sequência, temos sete caubóis caminhando em um cenário com um pôr do Sol que seria visível em qualquer cenário de Velho Oeste. Sendo assim, resta aos fãs da série apenas aguardar um anúncio oficial da parte da Rockstar, e esse possivelmente será de um título inédito. Ver imagem no Twitter Rockstar Games

Análise do Mafia 3

Com glamour ameaçado, Mafia 3 se sustenta, mas esquece várias raízes Em primeiro lugar, e para dirimir eventuais dúvidas, preciso ser direto e reto: foi duro analisar Mafia 3. Não por causa do caráter técnico ou de outras ressalvas dissertadas nesta análise, mas sim porque sou ultrafã da franquia, da temática e do gênero, e sabemos que isso pode embaçar o julgamento. Sou fã de carteirinha de Mario Puzo, que assina “O Poderoso Chefão”, John Grisman, Joseph D. Stone (que concebeu o livro responsável por inspirar o filme “Donnie Brasco”) e outros autores do charmoso gênero mafioso, do qual, como bom ascendente italiano e degustador de massas, sou adepto. Eu estava sedento por Mafia 3. Mais do que estou por Final Fantasy XV, mais do que estive por Gears of War 4 e Uncharted 4, muito mais do que estou com os shooters da próxima safra,Titanfall 2Battlefield 1Call of Duty: Infinite Warfare e afins. Mafia 3 era, definitivamente, o jogo que eu mais aguardava este ano. Seis anos após o lançam…

ZGB Start: Rockstar mostra ápice do primor técnico em trailer de Red Dead Redemption 2 / Nintendo Switch: novo console modular pode ser jogado em qualquer lugar

Rockstar mostra ápice do primor técnico em trailer de Red Dead Redemption 2 O primeiro trailer de Red Dead Redemption 2 é real. Dois dias após prometer essa divulgação, a Rockstar publicou um material ainda escasso de informações, mas suficiente para mostrar, a todos nós, que a equipe de desenvolvimento dela faz o que bem quer com as gerações de consoles. O que vemos no vídeo adiante – rodando em tempo real, aparentemente – é um visual que explora os limites do PlayStation 4 e do Xbox One, seja em densidade de vegetação, em tamanho de mundo, em atmosfera spaghetti, em equalização entre luz e sombra, em fumaça, em partículas ou em água. Ou em o que você quiser. Por enquanto, esse primor técnico sobrepõe quaisquer outros elementos relacionados à história ou aos personagens. Ainda não se sabe, por exemplo, se o pistoleiro que monta no cavalo e sai em debandada junto a seis outros parceiros é John Marston em seus tempos áureos como um fora-da-lei. O primeiro Red Dead Redemption foi lançado e…