Pular para o conteúdo principal

Análise do Dying Light: The Following

Mad Max nas fazendas de The Walking Dead investigando O Homem de Palha
A incomum mistura de zumbis e parkour em primeira pessoa foi provavelmente o atrativo que levou você a se arriscar em Dying Light no início de 2015. Por isso, já é melhor avisar agora que nesta grande expansão as coisas estão bem diferentes. The Following muda os ares da arruinada Haran para a zona rural próxima à cidade, o que modifica basicamente como você joga o game.
Essa nova proposta realmente refresca a fórmula, porque, primeiro, com o fim das estruturas claustrofóbicas do meio urbano, a sutileza não é mais essencial. Se na campanha principal sua capacidade de furtividade é indispensável pra sobreviver, aqui as armas de fogo podem e devem ser usadas à vontade.
E segundo porque nas fazendas as ruas não estão bloqueadas pelos milhares de carros abandonados durante a epidemia, o que nos oferece um tipo de locomoção totalmente novo: o buggy.
Análise do Dying Light: The Following

Vou de buggy, cê sabe

Quem já jogou títulos como Borderlands ou Far Cry vai se sentir familiarizado com essa adição, mas só até certo ponto. Pra manter o desafio, o carro, assim como as armas brancas do jogo, se deteriora a cada rolê e precisa de constantes reparos.
Por outro lado, você também pode atualizar os componentes e até adquirir novas funções. Isso faz dos carros que você acha pelo caminho minas de ouro implorando para serem pilhadas. The Following insere uma nova árvore de habilidades dedicada ao veículo, transformando o buggy de um simples transporte em uma maneiríssima arma sobre rodas. E que, naturalmente, oferece mais possibilidades de estratégia.
Análise do Dying Light: The Following

Fé demais não cheira bem

Como Mad Max passeando na fazenda do Hershel de The Walking Dead, o protagonista Kyle Crane descobre entre os moradores a existência de um culto, que supostamente protege seus devotos do vírus zumbi, mesmo que eles sejam mordidos. E é investigando essa suposta imunidade que a história The Following se mostra mais interessante que a de seu jogo base.
Ainda que Crane continue tão tridimensional quanto um boneco de papelão, em suas inúmeras missões de officeboy — que entrega recados e encomendas pra qualquer um que solicite sem questionar—, a surpreendente trama ambientada em um mapa duas vezes maior que a área de Haran é menos banal.
Análise do Dying Light: The Following

Não dá para fazer milagre

Além da nova campanha, a expansão traz também no pacote uma variedade de armas — incluindo uma besta —, novos desafios com recompensas diárias, corridas e mais um nível de dificuldade. É claro que The Following não resolve todos os problemas de Dying Light.
A desorientação causada pela indicação deficiente de pontos de interesse permanece, assim como a presença de missões medíocres que são apenas um pretexto para passar em meio a hordas de mortos-vivos e a dublagem brasileira de qualidade sem-vergonha. 
A própria expansão traz consigo alguns novos e pequenos aborrecimentos  como os poucos elementos relevantes presentes em um mapa tão grande. Mas como não dizer que estamos nos lucro com tantas outras vantagens?

Vale a pena?

Disponível à parte ou no pacote da Enhanced Edition, The Following é uma senhora expansão que oferece no mínimo mais 10 horas de gameplay na campanha, sem contar missões paralelas e desafios.
Análise do Dying Light: The Following
Sim, o aumento de recursos funciona como uma evolução natural da estrutura que vimos no jogo base, mas vai além disso. São poucas as vezes que um DLC reinventa positivamente o que foi visto no título original — Far Cry Blood Dragon é uma dessas poucas exceções que me vem à memória.
Vamos apenas dizer que seria bom ver outras desenvolvedoras aprendendo com nossos amiguinhos poloneses da Techland e oferecendo mais adições como esta.


85PC
Ótimo
"The Following mostra como se faz um DLC relevante, renovando o gameplay do jogo original, trazendo mais conteúdo e oferecendo uma história bem melhor."
outras plataformas
  • 85
    PS4
  • 85
    XBOX ONE





pontos positivos
  • Gameplay renovado com o carro e o novo level design
  • História mais interessante que a anterior
  • Novas armas
  • Novos desafios
  • Carro customizável na aparência, desempenho e armas
  • Novos inimigos
pontos negativos
  • Missões bobas como garoto de recados
  • Problemas no design de indicação de pontos de interesse
  • Mapa enorme com quantidade desproporcionalmente baixa de elementos relevantes
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ZGB Start: Cadê o anúncio? Imagem inédita praticamente confirma novidade de Red Dead

Cadê o anúncio? Imagem inédita praticamente confirma novidade de Red Dead No último domingo, a Rockstar divulgou uma imagem que deixou muita gente imaginando que, em breve, teríamos algum anúncio relacionado à série Red Dead. E, pelo visto, quem apostava nisso pode começar uma contagem regressiva interna, pois uma nova pista surgiu na rede social. Como é possível ver na imagem que está na sequência, temos sete caubóis caminhando em um cenário com um pôr do Sol que seria visível em qualquer cenário de Velho Oeste. Sendo assim, resta aos fãs da série apenas aguardar um anúncio oficial da parte da Rockstar, e esse possivelmente será de um título inédito. Ver imagem no Twitter Rockstar Games

Análise do Mafia 3

Com glamour ameaçado, Mafia 3 se sustenta, mas esquece várias raízes Em primeiro lugar, e para dirimir eventuais dúvidas, preciso ser direto e reto: foi duro analisar Mafia 3. Não por causa do caráter técnico ou de outras ressalvas dissertadas nesta análise, mas sim porque sou ultrafã da franquia, da temática e do gênero, e sabemos que isso pode embaçar o julgamento. Sou fã de carteirinha de Mario Puzo, que assina “O Poderoso Chefão”, John Grisman, Joseph D. Stone (que concebeu o livro responsável por inspirar o filme “Donnie Brasco”) e outros autores do charmoso gênero mafioso, do qual, como bom ascendente italiano e degustador de massas, sou adepto. Eu estava sedento por Mafia 3. Mais do que estou por Final Fantasy XV, mais do que estive por Gears of War 4 e Uncharted 4, muito mais do que estou com os shooters da próxima safra,Titanfall 2Battlefield 1Call of Duty: Infinite Warfare e afins. Mafia 3 era, definitivamente, o jogo que eu mais aguardava este ano. Seis anos após o lançam…

ZGB Start: Rockstar mostra ápice do primor técnico em trailer de Red Dead Redemption 2 / Nintendo Switch: novo console modular pode ser jogado em qualquer lugar

Rockstar mostra ápice do primor técnico em trailer de Red Dead Redemption 2 O primeiro trailer de Red Dead Redemption 2 é real. Dois dias após prometer essa divulgação, a Rockstar publicou um material ainda escasso de informações, mas suficiente para mostrar, a todos nós, que a equipe de desenvolvimento dela faz o que bem quer com as gerações de consoles. O que vemos no vídeo adiante – rodando em tempo real, aparentemente – é um visual que explora os limites do PlayStation 4 e do Xbox One, seja em densidade de vegetação, em tamanho de mundo, em atmosfera spaghetti, em equalização entre luz e sombra, em fumaça, em partículas ou em água. Ou em o que você quiser. Por enquanto, esse primor técnico sobrepõe quaisquer outros elementos relacionados à história ou aos personagens. Ainda não se sabe, por exemplo, se o pistoleiro que monta no cavalo e sai em debandada junto a seis outros parceiros é John Marston em seus tempos áureos como um fora-da-lei. O primeiro Red Dead Redemption foi lançado e…