Pular para o conteúdo principal

Análise do Wolfenstein: The Old Blood

Um passado sangrento que deve ser vivido pelos Fãs da franquia.
Em Wolfenstein: The Old Blood, temos uma história complementar aos eventos vistos em The New Order, game lançado para consoles e PC em 2014. Tendo como cenário uma Segunda Guerra Mundial ligeiramente diferente daquela que conhecemos, o game traz como objetivo se infiltrar no famoso Castelo Wolfenstein para recuperar documentos capazes de acabar com os planos do vilão Deathshead.
Assim como no jogo-base, você assume o papel de B.J. Blazkowicz, soldado americano cujas habilidades de guerra fazem com que ele tenha poder semelhante ao de um pelotão inteiro. Além de matar centenas de nazistas genéricos usando uma grande variedade de métodos, você vai ter que parar os planos de Helga von Schobbs, uma das principais mentes do exército alemão.
Mesmo ligada a The New Order, a trama de Old Blood funciona bem de forma individual e não exige conhecimento prévio do título principal para ser aproveitada em sua totalidade. Assim, faz sentido que o DLC seja disponibilizado de forma individual para aqueles que desejam conferi-lo — podendo ser jogado até mesmo antes do game de 2014 sem qualquer problema.

Passado futurista

Mesmo se passando durante a década de 1940, The Old Blood não pode ser considerado exatamente um jogo com visual retrô. Muito disso se deve à sua história, na qual os nazistas obtiveram sucesso em desenvolver uma série de tecnologias que podem ser consideradas futuristas até mesmo nos dias de hoje.
Com isso, o arsenal de seus inimigos é muito mais elaborado e destrutivo do que o usado na Segunda Guerra Mundial como a conhecemos. No lugar de carabinas e rifles baseados em pólvora, entram armas elétricas e soldados equipados com armaduras extremamente resistentes — cujo único problema é sua dependência de uma fonte de energia localizada nas proximidades.
Análise de Wolfenstein: The Old Blood
Análise de Wolfenstein: The Old Blood
Muitas das diferenças que o título possui em relação à realidade são reveladas através de documentos e diálogos que você pode deixar de lado facilmente caso não preste atenção. Assim, é bom ficar atento aos elementos do ambiente caso você queira saber dados interessantes, como o fato de que, nesse universo, os Aliados foram massacrados durante a invasão da Normandia.
Nada disso é exatamente novo para quem jogou The New Order e já sabe de sua visão um tanto diferente dos anos 1960, mas é divertido ver como a Machine Games conseguiu integrar essas mudanças de maneira inteligente ao universo que criou. As principais novidades do DLC ficam por conta da inclusão de equipamentos que não estavam presentes no título principal e a presença de novas variedades de inimigos.
Análise de Wolfenstein: The Old Blood
Análise de Wolfenstein: The Old Blood
O título mantém a mecânica versátil vista no lançamento de 2014, que permite trocar facilmente entre momentos de furtividade e horas em que a melhor solução é atirar sem dó em tudo o que surge pela frente. Infelizmente, The Old Blood possui momentos em que uma dessas táticas é claramente priorizada — como em seu início, no qual decidir sair das sombras é praticamente pedir para ser destroçado pelos inimigos.
Mesmo com esses instantes um pouco “forçados”, mecanicamente o game mantém a mesma qualidade vista em The New Order. Atirar em inimigos é um processo satisfatório graças ao poder exibido pelas armas, assim como é bastante recompensador conseguir se esgueirar pelos ambientes e matar comandantes adversários sem ser visto.

Elementos problemáticos

Assim como acontece em The New Order, The Old Blood peca em aspectos técnicos resultantes do uso da engine Rage. Mesmo bastante modificado, o motor gráfico já está desgastado e não consegue lidar muito bem com resoluções — ainda que jogando no PC com o nível de detalhe máximo, alguns elementos ficam bastante estranhos quando observados de perto.
Isso não significa que o jogo em si é feio, longe disso. No entanto, ele parece carregar algumas heranças não muito bem-vindas da sétima geração de consoles que já deveriam ter sido eliminadas pela “nova geração”. Isso significa que, assim como acontece no jogo-base, você ainda vai se incomodar com as pequenas “engasgadas” que o título apresenta, especialmente durante suas cenas de corte.
Análise de Wolfenstein: The Old Blood
Análise de Wolfenstein: The Old Blood
Porém, o aspecto no qual The Old Blood mais peca é em sua história, que se mostra muito pouco desenvolvida. Mesmo com as restrições impostas pelo fato de lidar com acontecimentos prévios a outro jogo, a Machine Games poderia ter feito mais esforço para desenvolver os personagens que interagem com B.J. durante sua missão.
O DLC perde uma das principais qualidades de The New Order, que era a presença de momentos mais calmos nos quais o jogador tinha a chance de conhecer mais do universo e das figuras que o habitam. Ao priorizar somente os tiroteios, o lançamento se torna um tanto cansativo e não gera o envolvimento emocional necessário para fazer você se importar com seus aliados ou odiar seus inimigos.

Vale a pena?

Expandindo a boa mecânica introduzida por Wolfenstein: The New Order, The Old Blood é uma ótima adição a qualquer biblioteca de jogos. Oferecendo uma campanha relativamente longa para um DLC, o título apresenta uma dose generosa de tiroteios em cenários variados e se mostra uma desculpa perfeita para matar (novamente) nazistas.
O aspecto que torna o produto inferior ao jogo-base é o fato de ele não desenvolver muito bem sua história e seus personagens, o que elimina o envolvimento emocional necessário para você realmente se importar com o que acontece. Essa decisão, somada à falta de momentos mais calmos, faz com que a experiência se torne um tanto cansativa e repetitiva caso você decida aproveitá-la toda em uma única rodada.
Análise de Wolfenstein: The Old Blood
Análise de Wolfenstein: The Old Blood
Em resumo, caso você tenha gostado do que The New Order ofereceu, são muito grandes as chances de gostar de The Old Blood. Mesmo com alguns problemas técnicos e não atingindo os pontos altos de seu antecessor, o lançamento figura como um dos games de tiro em primeira pessoa mais divertidos que podem ser experimentados em 2015.
Seja você um fã de jogos furtivos ou alguém que simplesmente quer atirar em tudo que surge pela frente sem pensar muito, o game é garantia de algumas boas horas de diversão. Resta esperar para descobrir o que a Machine Games vai fazer com a franquia após ter explorado a história de B.J. Blazkowicz em toda a sua integridade.


80PC
Ótimo
" The Old Blood é um prato-cheio de tiros e pólvora para quem apreciou Wolfenstein: The New Order "
 pontos positivos
  • Mecânicas que funcionam muito bem
  • Novos armamentos e inimigos mantêm a aventura fresca
  • Realidade alternativa bem construída
pontos negativos
  • Ritmo da aventura faz com que ela se torne cansativa
  • Personagens e motivações mal desenvolvidos
  • Problemas técnicos frequentes
  • outras plataformas
    • 80
      PS4
    • 80
      XBOX ONE

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ZGB Start: Cadê o anúncio? Imagem inédita praticamente confirma novidade de Red Dead

Cadê o anúncio? Imagem inédita praticamente confirma novidade de Red Dead No último domingo, a Rockstar divulgou uma imagem que deixou muita gente imaginando que, em breve, teríamos algum anúncio relacionado à série Red Dead. E, pelo visto, quem apostava nisso pode começar uma contagem regressiva interna, pois uma nova pista surgiu na rede social. Como é possível ver na imagem que está na sequência, temos sete caubóis caminhando em um cenário com um pôr do Sol que seria visível em qualquer cenário de Velho Oeste. Sendo assim, resta aos fãs da série apenas aguardar um anúncio oficial da parte da Rockstar, e esse possivelmente será de um título inédito. Ver imagem no Twitter Rockstar Games

Análise do Mafia 3

Com glamour ameaçado, Mafia 3 se sustenta, mas esquece várias raízes Em primeiro lugar, e para dirimir eventuais dúvidas, preciso ser direto e reto: foi duro analisar Mafia 3. Não por causa do caráter técnico ou de outras ressalvas dissertadas nesta análise, mas sim porque sou ultrafã da franquia, da temática e do gênero, e sabemos que isso pode embaçar o julgamento. Sou fã de carteirinha de Mario Puzo, que assina “O Poderoso Chefão”, John Grisman, Joseph D. Stone (que concebeu o livro responsável por inspirar o filme “Donnie Brasco”) e outros autores do charmoso gênero mafioso, do qual, como bom ascendente italiano e degustador de massas, sou adepto. Eu estava sedento por Mafia 3. Mais do que estou por Final Fantasy XV, mais do que estive por Gears of War 4 e Uncharted 4, muito mais do que estou com os shooters da próxima safra,Titanfall 2Battlefield 1Call of Duty: Infinite Warfare e afins. Mafia 3 era, definitivamente, o jogo que eu mais aguardava este ano. Seis anos após o lançam…

ZGB Start: Rockstar mostra ápice do primor técnico em trailer de Red Dead Redemption 2 / Nintendo Switch: novo console modular pode ser jogado em qualquer lugar

Rockstar mostra ápice do primor técnico em trailer de Red Dead Redemption 2 O primeiro trailer de Red Dead Redemption 2 é real. Dois dias após prometer essa divulgação, a Rockstar publicou um material ainda escasso de informações, mas suficiente para mostrar, a todos nós, que a equipe de desenvolvimento dela faz o que bem quer com as gerações de consoles. O que vemos no vídeo adiante – rodando em tempo real, aparentemente – é um visual que explora os limites do PlayStation 4 e do Xbox One, seja em densidade de vegetação, em tamanho de mundo, em atmosfera spaghetti, em equalização entre luz e sombra, em fumaça, em partículas ou em água. Ou em o que você quiser. Por enquanto, esse primor técnico sobrepõe quaisquer outros elementos relacionados à história ou aos personagens. Ainda não se sabe, por exemplo, se o pistoleiro que monta no cavalo e sai em debandada junto a seis outros parceiros é John Marston em seus tempos áureos como um fora-da-lei. O primeiro Red Dead Redemption foi lançado e…