Pular para o conteúdo principal

Análise de GTA V nova geração

Santa ironia! O melhor jogo de 2013 é também o melhor (e maior) deste ano!

*A videoanálise está em produção e será postada em breve. Atualizaremos esta postagem quando o material ficar pronto.
Ah, os dilemas enfrentados pela sociedade... As eternas discussões do certo e do errado, os debates em torno do que é politicamente correto e incorreto, os problemas e as hipocrisias que afogam nosso cotidiano capitalista e trazem à tona outras questões. Tudo isso sempre foi abordado com maestria por Grand Theft Auto desde os primórdios. Colocar o jogador na pele de um criminoso foi o paradoxo que consagrou a Rockstar nessa indústria saturada por clichês.
Um não. Três. Foi exatamente isso que a desenvolvedora entregou ano passado comGTA 5 no PS3 e no Xbox 360: três criminosos com resquícios de humanidade e muito, muito em comum (sim, Trevor também está incluso nesse rol da humanidade). Franklin, Michael e Trevor, cada qual com seu carisma, foram responsáveis por horas de nosso tempo livre. Não à toa, arrancaram um 100 na análise do BJ.
A história se repete e tem um sabor ainda melhor com a chegada do título aos consoles da nova geração. A Rockstar não precisa provar seu valor para mais nada. Ela se impõe no mercado de forma natural, atuando com sua corriqueira discrição e notório talento. Observem que dificilmente o conteúdo de seus projetos vaza – e, quando isso acontece, o material é ligeiramente rastreado e extinto da internet.
O novo GTA 5 é inédito em praticamente todos os aspectos. O que começou como uma “mera” remasterização se transformou num projeto grande, ambicioso e capaz de atrair multidões, sejam elas compostas por quem já jogou o game ou por marinheiros de primeira viagem. Justificativas não faltam para você novamente gastar mais de 100 horas em Los Santos e Blaine County.

A supremacia do mundo aberto

Muito mais do que um salto gráfico, o título apresenta uma série de novidades exclusivas para a nova geração. É claro que a Rockstar não abandonou os jogadores do PS3 e do Xbox 360 – ela jamais faria uma coisa dessas a quem dedicou o seu tempo no jogo – e ainda arremessa respeitáveis atualizações para o modo online, mas a nova versão está com tanto conteúdo inédito que até mesmo os mais puritanos vão querer jogar de novo.
O engraçado é que, se pararmos para refletir, GTA é quase que isento de influências externas. Eu digo, se pensarmos em jogos, GTA se inspira em GTA, se inspira na vida, no lado cruel da sociedade, nos tabus. O conceito de mundo aberto é antigo e já foi semeado por RPGs da lapa de Tibia, Ultima Online, Fallout e afins, resgatando aí um panorama da década noventista.
Mas quando o assunto é a temática urbana, nada nesta galáxia, e nem em qualquer outra, se iguala a GTA. A nova versão contém melhorias gráficas que vão além de texturas refinadas e estabilidade na renderização. Os cenários estão mais preenchidos, a vida selvagem e a vegetação ganharam mais densidade, há mais pessoas nas ruas, mais luzes, mais prédios, mais árvores, mais tudo.
Você vai usar o smartphone com muito mais frequência só para deslumbrar as minúcias. Quando chove, o asfalto e o gramado acumulam poças d’água que refletem toda a iluminação do ambiente, incluindo movimentação de personagens ou carros, além de luzes de postes, lojas e veículos. Os detalhes são tão lúcidos que você vai querer montar galerias bacanudas com o smartphone do jogo só para compartilhar a arte. E ah, por falar em arte, eis a cereja no bolo deste reformulado GTA 5: o modo em primeira pessoa.

Rockstar, sua malandra. Câmera em primeira pessoa: o coringa do baralho

No começo desta análise, eu mencionei o quão importante é uma remasterização – que aqui mais se aproxima de um remake – avaliada do ponto de vista técnico. Os portes estão na crista da onda, e não me levem a mal: games como The Last of Us RemasteredTomb Raider: Definitive Edition e tantos outros são lindos, mas GTA 5 tem um sabor diferente. O tempero é mais apimentado, com um bom equilíbrio da linha tênue que separa o exagerado do muito simplório.
A diferença é que a Rockstar é uma das poucas desenvolvedoras deste mercado que consegue exagerar e manter a qualidade. Extrapolar sem perder a linha. Ousar sem magoar, apelar sem agredir. A única “agressão” se dá à vida social, que definitivamente vai consumir mais de 100 horas do seu tempo livre de novo. E com o dobro de prazer.
O modo em primeira pessoa, anunciado pouco antes do lançamento do game, nasceu como uma possível inspiração num mod que bombou em vídeos na internet durante semanas. Independentemente da influência, a Rockstar se aventurou por um universo – o FPS – que, em teoria, é embrionário para ela. Só que a desenvolvedora, perfeccionista que é, não se contentou em restringir o modo aos tiroteios ou a momentos pré-determinados.
Não é exagero algum dizer que a câmera em primeira pessoa traz toda uma nova perspectiva ao que já era perfeito. Sem dirimir nada do que já foi estabelecido, o modo entrega um verdadeiro Far Cry urbano com o qual muitos jogadores sonharam e pelo qual vários suplicaram.
A nova visão traz uma dose especial de tudo o que GTA 5 já oferece: os tiroteios se tornam mais realistas, a exploração fica mais imersiva, os momentos de suspense ganham uma atmosfera mais complexa e o stealth é facilitado. Franklin, Michael e Trevor estão adorando as novidades.
Talvez contrariando seus próprios princípios conservadores, a Rockstar trouxe uma drástica mudança com isso. E quando digo princípios conservadores, me refiro à postura neutra e discreta que a empresa tem com relação a remakes ou remasterizações em HD. Vide a trilogia GTA 3/Vice City/San Andreas, que nunca recebeu um tratamento oficial em HD para PS3 e Xbox 360. Até existem portes para mobile e versões refinadas no PC, mas não há um pack oficial da Rockstar com o retratamento, apesar de a comunidade ter implorado por isso em petições virtuais, fóruns, sites etc. O mesmo ocorreu com Red Dead Redemption, obra-prima que nunca chegou ao PC (e nem chegará). Em outras palavras, a Rockstar faz o que bem quer, e faz bem feito.

Limitações? Sim, e são estratégicas

A movimentação dos personagens, a dirigibilidade e os tiroteios são diretamente afetados pela câmera em primeira pessoa. Pense em todos os pormenores que Franklin, Michael e Trevor executam em suas rotinas ilícitas: abrir portas para expulsar o dono de seu veículo, nadar, pilotar, roubar bancos, pular sobre muretas, casas e carros, saltar de paraquedas, enfim, tudo isso ganha fôlego renovado.
A câmera em primeira pessoa pode ser acessada rapidamente durante o jogo, sem a necessidade de entrar ou sair de menus. Basta alternar a distância dela por meio do touchpad no PS4 e do botão Back no Xbox One. A direção é, possivelmente, o aspecto que mais sente o peso dessa mudança. Com um toque de realismo e uma pitada de dificuldade, controlar os veículos agora é um desafio mais ousado e que exige que o jogador esteja com os reflexos em dia.
A câmera em primeira pessoa já existia na direção. Agora, a nova perspectiva traz exatamente aquilo que já é amplamente adotado em games como Far Cry,BattlefieldHalo e afins: o domínio dos controles. Nada dificulta sua experiência aqui, pelo contrário: GTA 5 continua didático, mostrando novas dicas ao jogador conforme ele avança na história. Portanto, a câmera em primeira pessoa apenas traz um desafio maior e requer habilidades diferentes, mas a essência está ali, intacta, e a física continua dando um banho em outros games do gênero – e de outros gêneros também, como corrida, tênis e golfe.

O poder das “dorgas”

Como a zoeira jamais tem limites, a Rockstar, que adora tocar na ferida da sociedade com assuntos e dilemas polêmicos em suas franquias, trouxe mais novidades para a nova versão de GTA 5. Agora, o jogador encontra certos personagens que oferecem uma viagem mental diferente por meio de drogas e outros elementos que podem ser encontrados nas zonas remotas.
Ao utilizar tais elementos, os protagonistas ficam chapados e podem se transformar em aves, enfrentar alienígenas imaginários e muito mais. Além disso, os que gostam de explorar os subúrbios para ver as diferentes facetas de Los Santos vão ter ângulos inéditos na nova perspectiva.
É o jogo imitando a vida e vice-versa. A nona arte vive sendo disputada entre quadrinhos, games e alguma outra mídia de entretenimento. Não que GTA necessariamente remeta ao conceito artístico, mas se trata de uma obra tão completa, íntegra e cheia de referências em todas as suas propostas que o jargão “é uma obra de arte” se aplica com folga aqui. Na verdade, é uma obra de arte irretocável.
Oras, Hideo Kojima também brinca com isso. Quentin Tarantino, em seus filmes, satiriza a ficção e a realidade. Stephen King, em seus livros de suspense, adora mesclar os dois conceitos também. A Rockstar, chefiada pelos irmãos Sam e Dan Houser (que supervisionam todos os projetos da desenvolvedora), se pararmos para refletir, não tem uma quantidade enorme de franquias. As poucas, no entanto, são memoráveis – vide ManhuntRed Dead Redemption e Bully, além do próprio GTA, só para citar algumas. Todas elas tocam em alguma ferida da sociedade, direta ou indiretamente, e o capitalismo, bem como os seus desdobramentos, costuma estar no epicentro dessas temáticas.

Atividades secundárias e multiplayer revigorado

Algumas atividades secundárias só podem ser realizadas com a câmera em terceira pessoa. Passatempos como tênis, golfe e outros, por exemplo, automaticamente alternam para a visão tradicional. Depois de terminar essas atividades, a perspectiva em primeira pessoa é retomada.
Outras novidades do GTA 5 da nova geração trazem mais opções de customização aos veículos, como luzes de neon, motores mais potentes e nitros poderosos. Alguns carros clássicos de outros games da série estão de volta. E a “foderosa” trilha sonora conta com mais de 100 músicas novas, fresquinhas, só para apetecer o PS4 e o Xbox One.
GTA Online, o multiplayer definitivo da franquia até aqui, também ganhou melhorias: agora, algumas sessões em Mata-Mata, Corridas, Capturas e outras modalidades em equipe têm limite de até 30 pessoas, quase o dobro da versão anterior, que se limitava a 16. Os testes que realizei apresentaram muita estabilidade nos servidores e praticamente nenhuma queda na taxa de quadros por segundo.

100 é pouco. Se pudesse, eu daria 200

O novo GTA 5 mostra a maturidade que a Rockstar tem quando o assunto é mundo aberto. Experiente, ousada e criativa, a desenvolvedora, que tem um histórico de não fazer remasterizações ou versões em HD de seus jogos, resolveu abrir uma exceção e novamente brincar com os nossos sentimentos. Na verdade, ela brinca também com a nova geração e, ao mesmo tempo, mostra que há um lindo horizonte pela frente com um eventual GTA 6.
A Los Santos que você conheceu ano passado está muito mais bonita agora. A Rockstar claramente propôs um objetivo para essa remasterização: apresentar argumentos que tragam novos jogadores e atraiam os velhos. E, para isso, apareceu a cereja no bolo que convenceria os jogadores e a indústria: a câmera em primeira pessoa.
O detalhe, que à primeira vista pode parecer simples, traz toda uma experiência diferente daquilo que já havíamos conferido, numa espécie de Far Cry urbano perfeito. Aquilo que era uma utopia, um sonho, agora é realidade. Senhoras e senhores, GTA 5 em primeira pessoa eleva a adrenalina a outro patamar. Mas todos os outros fatores, supracitados neste texto, também fazem isso. É a história sendo escrita.
Seja pelas melhorias gráficas, pelo modo em primeira pessoa, pelas novidades no multiplayer, pela trilha sonora renovada ou por qualquer outro motivo, GTA 5 para PlayStation 4 e Xbox One merece cada minuto de sua atenção e de seu tempo livre. Para aproveitar tudo o que há de bom por aqui, separe 100 horas ou mais. Lançado num momento estratégico, o jogo pontua este morno 2014 com mais fôlego. Sabem aquele ditado, “em time que está ganhando não se mexe”? Aqui ele foi mexido e alcançou a supremacia. Obrigado, Rockstar.


100PS4
Supremo
Experiente, ousada e criativa, a Rockstar resolveu brincar com os nossos sentimentos de novo. Na verdade, ela brinca como bem quer com a nova geração.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ZGB Start: Cadê o anúncio? Imagem inédita praticamente confirma novidade de Red Dead

Cadê o anúncio? Imagem inédita praticamente confirma novidade de Red Dead No último domingo, a Rockstar divulgou uma imagem que deixou muita gente imaginando que, em breve, teríamos algum anúncio relacionado à série Red Dead. E, pelo visto, quem apostava nisso pode começar uma contagem regressiva interna, pois uma nova pista surgiu na rede social. Como é possível ver na imagem que está na sequência, temos sete caubóis caminhando em um cenário com um pôr do Sol que seria visível em qualquer cenário de Velho Oeste. Sendo assim, resta aos fãs da série apenas aguardar um anúncio oficial da parte da Rockstar, e esse possivelmente será de um título inédito. Ver imagem no Twitter Rockstar Games

Análise do Mafia 3

Com glamour ameaçado, Mafia 3 se sustenta, mas esquece várias raízes Em primeiro lugar, e para dirimir eventuais dúvidas, preciso ser direto e reto: foi duro analisar Mafia 3. Não por causa do caráter técnico ou de outras ressalvas dissertadas nesta análise, mas sim porque sou ultrafã da franquia, da temática e do gênero, e sabemos que isso pode embaçar o julgamento. Sou fã de carteirinha de Mario Puzo, que assina “O Poderoso Chefão”, John Grisman, Joseph D. Stone (que concebeu o livro responsável por inspirar o filme “Donnie Brasco”) e outros autores do charmoso gênero mafioso, do qual, como bom ascendente italiano e degustador de massas, sou adepto. Eu estava sedento por Mafia 3. Mais do que estou por Final Fantasy XV, mais do que estive por Gears of War 4 e Uncharted 4, muito mais do que estou com os shooters da próxima safra,Titanfall 2Battlefield 1Call of Duty: Infinite Warfare e afins. Mafia 3 era, definitivamente, o jogo que eu mais aguardava este ano. Seis anos após o lançam…

ZGB Start: Rockstar mostra ápice do primor técnico em trailer de Red Dead Redemption 2 / Nintendo Switch: novo console modular pode ser jogado em qualquer lugar

Rockstar mostra ápice do primor técnico em trailer de Red Dead Redemption 2 O primeiro trailer de Red Dead Redemption 2 é real. Dois dias após prometer essa divulgação, a Rockstar publicou um material ainda escasso de informações, mas suficiente para mostrar, a todos nós, que a equipe de desenvolvimento dela faz o que bem quer com as gerações de consoles. O que vemos no vídeo adiante – rodando em tempo real, aparentemente – é um visual que explora os limites do PlayStation 4 e do Xbox One, seja em densidade de vegetação, em tamanho de mundo, em atmosfera spaghetti, em equalização entre luz e sombra, em fumaça, em partículas ou em água. Ou em o que você quiser. Por enquanto, esse primor técnico sobrepõe quaisquer outros elementos relacionados à história ou aos personagens. Ainda não se sabe, por exemplo, se o pistoleiro que monta no cavalo e sai em debandada junto a seis outros parceiros é John Marston em seus tempos áureos como um fora-da-lei. O primeiro Red Dead Redemption foi lançado e…